Anuncie Aqui 98705-3786




sábado, 31 de março de 2018

ENCHENTE DE 1981 COMPLETA HOJE, DIA 01 DE ABRIL, 37 ANOS DE MARCO HISTÓRICO PARA CAMPO REDONDO E SANTA CRUZ NA REGIÃO TRAIRI

Quarta-feira, 1º de abril de 1981.


Hoje, domingo, dia 01/04 faz exatamente 37 anos que Santa Cruz registrava sua maior tragédia, a enchente do Rio Trairi, que deixou milhares de desabrigados e causou estragos na cidade que estão na memória e história do município.
Em um dia de fortes chuvas em toda a região do Trairi, por volta das 18h, à água que havia rompido o Açude Mãe D’água em Campo Redondo, chegava a Santa Cruz, causando estragos imediatos: 1.044 casas destruídas, mais de 5 mil desabrigados, seis mortes e um rastro de destruição.
Para se ter uma idéia, a água levou várias casas que foram construídas dentro ou as margens do Rio Trairi, que divide o bairro Paraíso do restante da cidade. A força da água era tão grande, que ela chegou a atingir várias ruas do centro, trazendo prejuízos para boa parte da população de Santa Cruz.
A tragédia foi uma das maiores da história do Rio Grande do Norte e mobilizou autoridades de todo o país, na busca de reconstruir Santa Cruz e todo o caos que foi instalado. A mobilização trouxe o Exército brasileiro que fez trabalhos durante meses para diminuir os estragos causados.
O então governador Lavoisier Maia decretou estado de calamidade pública em toda a região do Trairi e levou fotos da tragédia ao presidente da República, João Figueiredo. O ministro do Interior na época, Mário Andreazza confidenciou ao prefeito de Santa Cruz, Hildebrando Teixeira, só ter visto cena igual em guerra.
O trabalho das autoridades foi essencial para que a tragédia fosse minimizada, mas tudo começou com a telefonista Maria de Fátima da Silva que contactou o Pároco de Santa Cruz na época, Monsenhor Raimundo Gomes Barbosa, para avisar do risco do rompimento do açude.
O ex-governador Iberê Ferreira de Souza (chefe da Casa Civil, na época), começou os contatos com o então governador do estado, Lavoisier Maia, e autoridades nacionais para ajudar a população afetada pela tragédia. Segundo Edgar Santos o papel das autoridades foi fundamental e que fica de lição para os dias atuais.
Após a enchente, o trabalho de reconstrução foi iniciado. Muitos se solidarizaram com a situação que se encontrava o município e um mutirão que envolveu as três forças armadas, instituições públicas e privadas, ONGs, voluntários, igreja e as próprias vítimas foi formado com o objetivo de reconstruir a cidade.
O maior legado foi à criação do Conjunto Lauro Maia, com terrenos doados pelo Governo do Estado do RN para construção de 300 casas que foram doadas para as vítimas da enchente.
A construção do Conjunto Lauro Maia foi essencial para o acolhimento as famílias desabrigadas. Outro trabalho importante foi a reconstrução do Açude Mãe D'água, que teve sua parede rompida com a enchente. A recuperação aconteceu em 1992 e existe até hoje.
Após 1981, ficou a lição de solidariedade da população e da união de toda a sociedade, dos grupos políticos e do povo para a reconstrução de Campo Redondo e principalmente Santa Cruz, ato que virou exemplo para outros municípios que já sofreram com o mesmo problema desde aquela época.
Veja mais informações, AQUI!
Fonte Portal de Campo Redondo


HOJE, DIA 01 DE ABRIL, COMPLETA 37 ANOS DA ENCHENTE DE 1981 QUE ATINGIU DUAS CIDADES DA REGIÃO TRAIRI

VERSOS SOBRE O AÇUDE MÃE D’ÁGUA - 37 anos  - “1º de abril de 1981”

No ano de 1981
Grande fato aconteceu,
No dia 1º de abril veja só o que se deu.
Às 7 horas da noite
O Açude Mãe D’água tremeu.

Quando o açude estourou
Foi a maior confusão,
A água toda indo embora
causando muita destruição,
E o povo uns gritavam,
outros choravam,
E outros pediam perdão.

O poço da caibeira
Também causou confusão,
Arrancando o trapiá
 Igualmente um furacão,
Jogando a ponte pra fora
E deixando somente o chão.

Ligaram pra Santa Cruz,
Na mesma situação,
O açude Santa Rita
Não aguentou a pressão
Levando a água fora
E causando a destruição.

Eu nasci e me criei
Ali naquele lugar
Todo dia eu ia lá pra pescar,
Pescando minha traira
Pra fazer o meu jantar.

Agora nesse momento
Eu quero falar também,
De meu amigo George
Que é um homem do bem,
E é um grande locutor
E um poeta também!

Peço que leia meus versos,
Pra todo mundo escutar,
Não quero fazer sucesso,
Apenas quero falar:
Pra o prefeito dessa cidade
E o povo desse lugar.

Vou pedir a Deus do céu
Pra ele me ajudar,
Me dando força e coragem,
Pra minha história eu contar,
Um abraço aos meus amigos
E para todos deste lugar.


Autor Antônio de Lô
Conjunto Margarida Procópio

SERRANO DE CAMPO REDONDO EMPATA COM O EVA BARY DE SANTA CRUZ E DECIDE CLASSIFICAÇÃO NA ÚLTIMA RODADA!




Em jogo válido pela volta da 🏆 Copa Trairi de Futebol no estádio Beira Rio em Campo Redondo, o Serrano empatou nos acréscimos em 3x3 com o Eva Bary de Santa Cruz, depois de estar perdendo por 3x0 ainda no primeiro tempo, que diminiu para 3 a 1 com um gol de pênalti cobrado por Jean Carlos.
No segundo tempo, professor Erivan fez algumas alterações que levou a equipe do Serrano marcar mais dois gols com o atacante Caneco e empatar a partida em 3 a 3. Com o empate, o Serrano e Eva Bary vão decidir classificação para próxima fase na última rodada.
Equipe Eva Bary de Santa Cruz
Equipe Serrano de Campo Redondo
Trio de Arbitragem da Fênix
Por George Araújo

HOJE, DIA 01 DE ABRIL, CAMPO REDONDO E SANTA CRUZ RELEMBRAM FATO HISTÓRICO QUE ENVOLVE AS DUAS CIDADES DA REGIÃO TRAIRI

"Retorno a partilhar uma breve autoria, em memória da catástrofe de 1981 na cidade na qual resido, Campo Redondo/ RN. Redigi o texto perante os relatos que ouço ao longo dos meus anos de vida, por aqueles que vivenciaram o ocorrido. A princípio, saúdo os grandes nomes da história, dos que partiram para eternidade e dos que estão em vida; a cada cidadão Camporedondense. E também, a você leitor de outra localidade, que se interessou em decodificar o texto. Espero que as simples palavras desse o instigue e que, permita na memória uma construção de cena. Naquela tarde tudo representava indícios de que seria um dia semelhante a um outro qualquer, o sol havia amanhecido sorrindo, os pássaros cantavam uma doce e singela sinfonia, nada demonstrava gestos de que uma catástrofe estava a caminho. Realmente, tudo se encontrava estável, a esperança preenchia o coração daquele povo trabalhador, leal e digno. Um sentimento de prosperidade os alegrava, pois, havia chegado o inverno, já que o trabalho no campo era a principal fonte de renda da época, e a chuva, é um elemento primordial para uma significativa colheita. Nessa realidade, falar de cheia era sinônimo de fartura. Mas, jamais imaginavam que aquilo que antes trazia bonança, dessa vez viria como destruição. Seguiram com suas atividades rurais, cantarolando de tanta alegria, pois novidades estavam por vir. Na mente um turbilhão de planejamentos, planos esses para o cultivo da lavoura. O banco de sementes no canto da parede estava a esperar as gotas do céu, para se multiplicar. Diante das grandes secas, típicas do Sertão Nordestino, o povo batalhador trabalhava de “ sol a sol”, sempre em orações pelas gotas celestiais. Assim aconteceu na tarde do dia primeiro de abril de 1981, na cidade de Campo Redondo/ RN. Os grandes nevoeiros aos poucos iam se formando, cobrindo o sol e ofuscando seu brilho e, uma brisa de vento soprava lentamente. Era uma verdadeira sensação de paz. E aquelas nuvens foram acumulando-se, na sequência, em questão de minutos começaram a banhar a tão saudosa Campo Redondo. Uma chuva considerada calma, sem relâmpagos e trovões, derramava forte, e nesse mesmo ritmo seguiu durante horas. Pulos de alegria dava a sua gente, pois, a garantia do alimento para si e para suas crias se fazia a partir dali. O dia se despedia, e a noite aproximava-se. Mas, o cenário era o mesmo, a água continuava sendo o autor principal daquele entardecer. Não demorou muito para que os moradores avistassem que o maior reservatório da localidade estava transbordando, o tão famoso açude nomeado por (Mãe d´água), era uma cheia jamais antes vista. Isso já era motivo de alerta e uma certa sensação de pânico tomava conta daquele povo. Dominados pelo medo, foram evacuando de suas moradias e levando a alerta para os que ainda não tinham conhecimento da gravidade da tragédia que estava prestes a acontecer, em destaque as ligações para os municípios vizinhos. Porém, era difícil de acreditar, já que esse desastre estava se passando numa data denominada como o dia da mentira, e por esse motivo a desgraça só tendia a crescer. Assim como as gotas de chuva molhavam a terra, as lágrimas lavavam os seus rostos, pois estavam convictos de que em questão de minutos, aquilo que com esforços de anos foi construído seria consumado pela água em intervalo de minutos. Um verdadeiro terror. As suspeitas tão temidas se confirmaram, em instantes um barulho assombroso ecoou como o ronco do trovão, que mesmo os confundiu. Mas, o esperado daqueles últimos momentos se concretizou, a parede do reservatório se rompeu pela força da água e ligeiramente ia invadindo as imediações. Correria, gritos e clamor tomou conta dali. Era um desespero em prol da vida. A escuridão dominou, e essa era mais uma complicação a ser vencida, parecia realmente ser o fim. O alagamento alastrava-se, e a cruz da capela de Nossa Senhora de Lourdes foi o marco a ser atingido por quase todos, já que lá era um dos pontos mais altos, o lugar no qual essa cheia não alcançaria. Assim seguia, patriarcas tentando salvar suas famílias, estendendo a mão ao próximo, pois o lema desse povo sempre foi serenidade e humildade no coração. Era aterrorizante, parecia ser um pesadelo, ou melhor, um filme de terror. A agonia estendeu-se durante horas, e o resto daquela noite foi apenas clamor e tristeza. Ao amanhecer do dia 02, a cena que se notava era horrenda, grande parte da cidade voltou a ser apenas um espeço de terra vazio, totalmente coberto pela lama e vestígios que sobraram do que era composta Campo Redondo. A alma ficou dominada pela angústia e dor, tanto pela destruição, quanto pelas pessoas que perderam a vida nisso, não só da localidade, como também das povoações vizinhas, em destaque Santa Cruz, que foi atingida em grande proporção, onde que a paisagem deixada pela força da água era de desesperadora. Nesse mesmo contexto, o silêncio predominava, todos encontravam-se extasiados, sem forças para coisa alguma. O sol havia voltado a sorrir, mais o espírito permanecia na escuridão da aflição. Ao longo dos dias, as ajudas foram chegando, todos em prol de uma reconstrução, e em acolhimento para aquelas famílias que ficaram desprovidas de amparo. Durante longos dias moraram em baixo de tendas feitas de lonas e troncos de árvores, necessitavam encarecidamente de ajuda. Mas, populações vizinhas, autoridades e os próprios moradores que não foram atingidos da mesma maneira, não mediam esforços e estendia a mão a estes como podiam. Se passaram meses, novamente iniciou aquele processo de construção, e vagarosamente o município ganhava uma roupagem nova, tudo que amenizasse a lembrança desse dia doloroso. Hoje, tornou-se uma cidade desenvolvida graças ao pai celestial, uma nova Campo Redondo. A estrutura mudou, mas os corações caridosos permaneceram e encontram-se na mesma maneira. Uma localidade pequena, mas repleta de grandes histórias, por trás de tanta beleza, houve uma grande trajetória de dor, que se tornou um marco que jamais será apagado de nossas memórias. Após 38 anos do ocorrido, as lembranças permanecem intactas nos que viveram e nas gerações o sucedeu. -Kennedy Andersson Pereira dos Santos. Desde já, peço desculpas se falhei em alguma parte, pois, redigi o texto conforme o que me foi apresentado nesses meus anos de vida, por familiares e conhecidos que vivenciaram a catástrofe."

Autor Anderson Kennedy

MENSAGEM DE FELIZ PÁSCOA DO PREFEITO ALESSANDRU ALVES AO POVO DE CAMPO REDONDO!



quinta-feira, 29 de março de 2018

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO REDONDO DEU INÍCIO HOJE (29) A TRADICIONAL ENTREGA DO PEIXE DA SEMANA SANTA


Já é tradição em Campo Redondo a entrega do Peixe na Semana Santa. Neste ano não é diferente, pois a Prefeitura Municipal de Campo Redondo estará distribuindo a toda população mais de 5 mil quilos de peixes nesta quinta-feira as famílias da zona urbana e rural do nosso município.
A entrega começou a ser feita nas primeiras horas desta quinta-feira da paixão e se prolongou até o período da noite.
Esta é uma ação que tem sido realizada durante toda gestão do prefeito Dr. Alessandru Alves. E que leva as mesas da nossa população o peixe que é tradição no período da Páscoa.



Por George Araújo

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO PERÍODO DA SEMANA SANTA

Nós da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes( Campo Redondo e Lajes Pintadas) desejamos a todos uma excelente Semana Santa! Pároco: Pe. José Manuel e equipe! Também passamos para avisar e pedir a todas as pessoas que irão participar a Missa do Domingo de Páscoa que leve uma quilo de alimento para ofertar à Jesus no momento do ofertório. Pois, esses alimentos vai servir para o almoço do planejamento Pastoral Paroquial que acontecerá no Domingo, dia: 22 de Abril de 2018. 

E você que é coordenador de pastoral e movimentos de nossa Paróquia que ainda não fez sua inscrição, nós lembramos que as inscrições é ate o próximo domingo, dia: 01 de Abril! Domingo de Páscoa! 

Lembre-se: Sua ajuda é de fundamental importância para a realização desse grande evento que é o nosso planejamento paroquial! Uma abraço a todos!

Fonte Pascoa

CONFIRA O RESUMO DOS VENCEDORES DAS PROVAS DE RUA ALUSIVO AOS 55 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE CAMPO REDONDO 2018

VOLEIBOL MASCULINO
Torneio de vôlei (duplas) a dupla campeã foi Alison / Valdinho (coletes amarelo), vice-campeão Elison e Jeferson (18 duplas disputaram)

FUTEVÔLEI MASCULINO
Torneio de futevôlei a dupla campeã foi Miguel / Omarzinho (Coletes verde) (12 duplas disputaram)

Corrida 1.500 metros (Juvenil-feminino) 
Vencedora Jadnaelma Ferreira

Corrida 1.500 metros (Juvenil-masculino) 
Vencedor Marcos Vinícius (número 66)


Corrida 1.000 metros (infantil-feminino) 
Vencedora Maria Kauanny

Corrida 1.000 metros (infantil-masculino) 
Vencedor Mateus Ferreira

Corrida 500 metros (mirim-feminino) 
Vencedora Maria Eduarda
Corrida 500 metros (mirim-masculino) vencedor


Corrida pedestre masculino local 6k 
Vencedor Agriberto Cristiano



Corrida pedestre feminino local 6k 
Vencedora Joice Eduarda

CORRIDA DE ATLETISMO


Corrida pedestre masculino visitante 6k
Vencedor Eduardo Silva (Acari/RN)


Corrida pedestre feminino visitante 6k 
Vencedora Mycaelle Priscila (Currais Novos/RN)



Corrida de carro de mão – vencedor Elison

Ciclismo local 6k – vencedor Walmir Medeiros



Ciclismo visitante 6k – vencedor Brasiliano Gerônimo (Brejinho/RN)

Prova da Banana – Grimaldi 30 em 8 minutos

Prova da Coca-Cola
Prova do pau de sebo – Jailton, Maurilio, Netinho e Tiago
Prova quebra panela – Jeferson Fuínha

TORNEIO DE XADREZ





Torneio de Xadrez nas categorias Infantil e Adulto
Fonte Wesportes.net